Prazo para a semeadura da soja é prorrogado em sete estados

A prorrogação do calendário de semeadura beneficia produtores de soja em Goiás e outros seis estados - Foto: Marcelo Camargo Agência Brasil

Conforme o Ministério da Agricultura e Pecuária, o calendário de semeadura de soja foi aletrado em Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Piauí, Tocantins e Acre


Por Brasil 61

Os produtores de soja de terão mais tempo para realizar a semeadura da oleaginosa. A pedido do setor produtivo e agências estaduais, o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) alterou o calendário de semeadura de soja para a safra 2023/2024 em sete estados: Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Piauí, Tocantins e Acre.

Segundo o consultor e analista de mercado na SAFRAS &Mercado, Luiz Fernando Gutierrez, a prorrogação do prazo foi motivada pelo atraso no plantio da cultura.

"É uma questão em cima do atraso por questões climáticas, no atraso do plantio e da necessidade grande de replantio de soja em algumas regiões.  Então, os atrasos que foram acumulados ao longo de toda a semeadura da soja em vários estados do país trouxeram esse problema e não havendo janela sanitária para plantio, teria que haver esse aumento do prazo para se plantar dentro da lei. Então, assim abre a possibilidade do replantio de áreas nesses estados que sofreram bastante com a regularidade climática nesse ano. E isso pode resultar em uma área muito próxima do que a gente estava esperando que ia ser plantada", destaca.

Mesmo com a prorrogação do prazo para o plantio de soja, o analista de mercado descartou a possibilidade de haver safra recorde de soja no país em 2024.

"Com relação às projeções para safra, a gente vem reduzindo nas últimas semanas as projeções. Mas continua indefinido porque tem ainda clima para acontecer, principalmente a safra do sul do Brasil, que está em aberto, e a safra do norte e nordeste também. O centro-oeste do Sudeste já está mais adiantado, mas a gente sabe que existem problemas importantes. E só os trabalhos de colheita acontecendo para a gente entender realmente qual foi o tamanho do problema. Então, eu diria que a safra deve ir mais ou menos por 152 milhões de toneladas. Quem sabe um pouco menos, um pouquinho mais, mas já dá para não falar mais em safra recorde", destaca.

De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), os produtores brasileiros deverão colher 312,3 milhões de toneladas de grãos na safra 2023/24. O número é 2,4% inferior ao obtido na temporada passada.

Emerson Tormann

Técnico Industrial em Elétrica e Eletrônica com especialização em Tecnologia da Informação e Comunicação. Editor chefe na Atualidade Política Comunicação e Marketing Digital Ltda. Jornalista e Diagramador - DRT 10580/DF. Sites: https://etormann.tk e https://atualidadepolitica.com.br

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Comper