Goiás atinge maior nível de produção industrial da história

Setores de vestuário, fabricação de veículos automotores e produtos químicos puxam alta da produção industrial de Goiás (Foto: Renato Alves)
Setores de vestuário, fabricação de veículos automotores e produtos químicos puxam alta da produção industrial de Goiás (Foto: Renato Alves)

Setores de vestuário, veículos automotores e produtos químicos impulsionam o crescimento da indústria em Goiás


Goiás atingiu o maior nível de produção industrial da história, de acordo com dados referentes a novembro de 2023 da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com 114 pontos no índice que mede a série histórica que é calculada desde 2002. O recorde anterior havia sido em outubro de 2019, quando Goiás atingiu 111,7 pontos.

Os números, validados pelo Instituto Mauro Borges (IMB), também mostram crescimento, em Goiás, de 16,6% na variação interanual, enquanto que o Brasil avançou apenas 1,3% na comparação com novembro de 2022.

O Paraná ficou em primeiro lugar, com um crescimento de 21,2%, e a vice-liderança foi ocupada pelo Espírito Santo, com 18,5%. Goiás foi o terceiro do país.

De acordo com o secretário-geral do Governo, Adriano da Rocha Lima, o resultado é reflexo das políticas de desenvolvimento econômico implementadas pelo governo estadual.

"Goiás atua como forte indutor do desenvolvimento econômico, graças às políticas de incentivos fiscais, à infraestrutura favorável como os distritos industriais, e à segurança jurídica proporcionada", destaca.

MAIOR NÍVEL DE PRODUÇÃO

O cenário positivo foi puxado principalmente por três setores: vestuário (426%), fabricação de veículos automotores (31%) e produtos químicos (22%), respectivamente. A indústria alimentícia figura em 4º lugar (17,8%), impulsionada pela produção recorde do agronegócio.

No acumulado do ano – comparativo de janeiro a novembro de 2023 com o mesmo período de 2022 -, Goiás alcançou aumento de 4,9% e a produção nacional não passou de 0,1%. Nesta categoria, o Estado ficou posicionado na quarta colocação.

O diretor-executivo do IMB, Erik Figueiredo, comenta que a tendência da atividade industrial pós-2021 (período posterior à pandemia) é um fator muito relevante.

"Temos que continuar aprimorando os mecanismos de mercado para melhorar o ambiente de negócios goianos e intensificar o crescimento da indústria", pondera.

O superintendente de Estudos e Projetos Macroeconômicos do IMB, Sávio Oliveira, afirma que a indústria goiana se encontra em uma esteira de crescimento nos últimos três anos, com aumentos subsequentes de produtividade, enquanto que o Brasil segue tendência de estagnação.

Editado por Márcia Fabiana via Secretaria-Geral de Governo - Governo de Goiás

Emerson Tormann

Técnico Industrial em Elétrica e Eletrônica com especialização em Tecnologia da Informação e Comunicação. Editor chefe na Atualidade Política Comunicação e Marketing Digital Ltda. Jornalista e Diagramador - DRT 10580/DF. Sites: https://etormann.tk e https://atualidadepolitica.com.br

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Comper