A doação de óvulos e espermatozoides com grau de parentesco na Fertilização in vitro

Questão psicológica é mais importante no processo, segundo presidente da Associação Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA)



A doação de gametas (óvulos - gametas femininos e espermatozoides - gametas masculinos) no procedimento de Fertilização in vitro é um processo legal e previsto na resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM), contudo, não se trata de uma técnica muito divulgada no Brasil.

Existem algumas regras para esse procedimento, como o fato de o paciente que quer doar seus gametas não poder receber valores por isso. A doação no Brasil não pode ter caráter lucrativo/comercial.

Outra questão importante é manter anônima a identidade do doador. As pessoas que se utilizam de gametas doados, assim como aquelas que adotam embriões, não podem ter acesso aos dados do(s) doador(es) – e estes não conhecem a identidade dos receptores.

No entanto, uma resolução recente do Conselho Federal de Medicina (CFM), publicada em junho de 2021, tornou possível a fertilização in vitro com óvulo doado por parentes de até 4º grau. Anteriormente, doadores de gametas ou embriões (Óvulo fecundado pelo espermatozoide) não poderiam conhecer a identidade dos receptores e vice-versa.

De acordo com o médico ginecologista obstetra e presidente da Associação Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), Dr. Álvaro Pigatto Ceschin, na prática, apesar de abrir mais opções para mais pessoas doarem, nem sempre esse processo é mais fácil em função da questão psicológica envolvida. Às vezes se torna até mais complicado.

Segundo o especialista é preciso fazer uma análise psicológica junto com a análise médica, para ver como está a relação dessas pessoas. “Como a pessoa que está doando vai encarar ver de perto outra pessoa engravidando com seu material genético?”, indaga.

O médico pontua a necessidade dessas relações e acordos estarem muito bem definidos. “Quando se tem um filho é construída uma relação a longo prazo, não só a curto prazo, como a decisão de doação, por isso a pessoa que vai doar tem que saber que esse filho não será dela. A pessoa tem que ter um espírito de doação, uma atitude altruísta e muita consciência desse processo”, completa.

Também é realizada uma avaliação sobre as questões médicas e de saúde dos doadores onde são analisadas questões como a qualidade de óvulos, se não há patologias, a idade da doadora. Tudo isso é levado em conta.  Esse procedimento é considerado seguro, desde que não haja consanguinidade entre doador e receptor.

Os pacientes que se dispuserem a doar gametas devem atender à limitação etária: podem ser doadores os homens com até 45 anos e as mulheres com até 37 anos. Sobre a idade limite dos doadores para o caso de doação de embriões, não há informação no CFM.

Doação compartilhada de óvulos

Outra possibilidade é a doação compartilhada em que duas mulheres – doadora e receptora – ambas portadoras de problemas de reprodução, compartilham tanto do material biológico, quanto os custos financeiros que envolvem o procedimento de reprodução assistida. Nestes casos a doadora terá preferência sobre o material biológico que será produzido.

Uma das novidades da Resolução CFM 2.168/2017 é a possibilidade de doação voluntária de gametas: não é mais necessário que a pessoa que queira doar seus gametas esteja em tratamento de reprodução, como era determinado pela resolução anterior.

Dados da reprodução Assistida

Dados de 2019 da Rede Latino-Americana de Reprodução Assistida (REDLARA) apontam que o Brasil é o país com mais bebês nascidos através de processos de reprodução assistida. São 83 mil nascimentos registrados pela rede em 25 anos.


Sobre a SBRA:

A Associação Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA) representa, desde 1996, a maior parte dos centros que se dedicam à Reprodução Assistida no Brasil. Atualmente, as cinco regiões do Brasil possuem instituições associadas à entidade, que discute, pesquisa, capacita profissionais e participa ativamente da regulamentação do tema no país. 

Postar um comentário

0 Comentários