Alto número de mulheres que não realizaram mamografia em 2021 ressalta importância da volta ao exame periódico

 Dados da Dasa Analytics mostram que cerca de 96% das mulheres no Centro-Oeste atendidas pela rede Dasa deixaram de realizar a mamografia em 2021


Créditos: freepik

O Dia Nacional da Mamografia, celebrado em 5 de fevereiro, é um importante lembrete para que o exame periódico seja retomado pelas mulheres que deixaram de fazê-lo por conta da pandemia. Com grande parte da população vacinada, é imprescindível para mulheres com mais de 40 anos ou com histórico familiar da doença voltar a realizar o exame anualmente. Como em outras formas de câncer, o diagnóstico precoce é aumenta consideravelmente as chances de cura.

 

“A mamografia é o principal exame com finalidade de detecção precoce do câncer de mama”, conta a médica radiologista especialista em mamas do Exame Imagem e Laboratório/Dasa Lorena Amaral. “Portanto, o quanto antes identificarmos uma alteração suspeita e tomarmos as devidas providências, maior a possibilidade de cura deste tumor”, continua.

 

É de grande importância que as mulheres voltem a realizar a mamografia periódica. Segundo dados da Dasa Analytics, em 2021 cerca de 96% das mulheres atendidas e acompanhadas pela rede Dasa na região Centro-Oeste deixaram de realizar o exame. Como em outras formas da doença, o diagnóstico precoce aumenta consideravelmente as chances de cura da paciente com câncer de mama.

 

“Como a recomendação geral de mamografia periódica é para mulheres com mais de 40 anos e a grande maioria deste público-alvo já está com esquema vacinal completo, é de suma importância que retomem seus exames anuais de rastreio”, diz Lorena Amaral. “Lembrando, claro, de procurar instituições que estejam com todos os protocolos de segurança para o controle da pandemia”, continua.

 

De acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia, as mulheres vacinadas contra a covid-19 não devem postergar ainda mais a mamografia, em particular as que estão com atraso na realização de rotina do exame. A vacina pode causar, em alguns casos, inchaço passageiro nos gânglios embaixo do braço que podem aparecer no exame, o que é uma reação natural e pode ocorrer com outros imunizantes, inflamações no ombro, depilação a laser nas axilas e por outros fatores. Apenas para mulheres que não possuem atraso com a rotina de exames recomenda-se que aguardem quatro semanas após a vacinação para realizar a mamografia, de forma que não prejudique a prevenção.

 

“É super importante continuar o rastreamento em tempos de pandemia”, afirma Lorena. “Se você está com receio de fazer o exame por causa da covid-19, fique tranquila. Implementamos rígidos protocolos, com higienização reforçada dos ambientes e dos equipamentos, adoção de distanciamento social e várias outras adaptações para garantir a segurança de todas as pacientes”, finaliza.

Postar um comentário

0 Comentários